segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Blogue "Barco à vista"

Embora seja certamente do conhecimento da maioria, poderá haver ainda quem não conheça o Blogue "Barco à vista", cujo autor, não sendo da Marinha é um seu grande amigo e muito interessado na sua história. Recentemente publicou mais uma crónica da história do ex- NRP "S. Miguel" que pode ser vista aqui.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

MEMÓRIAS




António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

CMG (REF) Manuel José da Costa Souto e Moura


Segundo comunicação agora recebida de um camarada, somos a dar a triste notícia do falecimento do Comandante Souto e Moura, esta manhã no Hospital da Cruz Vermelha.
De momento apenas sabemos que o funeral sairá sábado de manhã da Igreja de Santa Eugénia, na Encarnação, a hora ainda por precisar.
À Família enlutada, aos seus amigos, "O Navio... desarmado" apresenta sentidas condolências.

D.E.P.


Detalhes, em aditamento:
O corpo sairá directamente do HCV para a capela da igreja de Santo Eugénio, na Encarnação, onde deverá chegar pelas 1030 de sábado. Missa às 1200, após a qual seguirá para o cemitério do Alto de S. João, onde chegará pelas 1300. Às 1400 cremação.
Terá Honras Militares.

Para quem não possa ir ao funeral e desejar apresentar condolências, directamente, à família:
R. General Silva Freire, 10, 3º-E
1800-210 Lisboa
ou
 
CONDECORAÇÕES
Banda das Três Ordens


António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

CONDECORAÇÕES
MEDALHA NAVAL VASCO DA GAMA
Como certamente acontece com muitos, batem-nos periodicamente à porta funcionários das empresas de telecomunicações, vendedores disto e daquilo, etc.
O que ainda não me tinha acontecido nesta relativamente calma vida de reformado, foi bater-me à porta este marujo, 


sabedor que eu tinha colocado aqui no blogue a fotografia de várias condecorações, e ainda por cima conhecedor das medalhas que no fim da carreira eu podia ostentar por delas ter sido considerado merecedor em devido tempo.
Como podem observar, a mala está gorda. Confirmei que continha várias medalhas Vasco da Gama. Não é que ele queria à viva força oferecer-me uma? "Falta-lhe a Vasco da Gama", atirou-me com ar matreiro!
Ele há coisas do diabo.
Por óbvias razões declinei. 

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

CONDECORAÇÕES



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

CONDECORAÇÕES



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

CONDECORAÇÕES



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

CONDECORAÇÕES


António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

domingo, 8 de janeiro de 2017

CONDECORAÇÕES



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

sábado, 7 de janeiro de 2017

CONDECORAÇÕES



António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

CALM (Ref) Manuel Eduardo Leal Vilarinho



Foi com pesar que tomamos conhecimento do falecimento, no passado dia 31 de Dezembro, do Almirante Vilarinho. Tinha 99 anos. O corpo vai hoje, dia 5, pelas 1600 hrs, para a Igreja da Luz e sai para o Cemitério dos Olivais às 0900 de amanhã, dia 6, onde terá lugar a cremação, pelas 1000 hrs.
"O Navio... desarmado" apresenta sentidas condolências à Família, amigos e camaradas.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

ACTUAL BASE AÉREA Nº 6, NO MONTIJO

Como muito bem lembrado no blogue dos camaradas de armas "OCEANOS", a actual base no Montijo foi pertença da Marinha.
Para aí passaram "os pássaros" que então integravam a "Briosa".
Não tenho a certeza a 100%, mas quase, querendo com isto referir que o último comandante da base que nos diz directamente respeito foi o falecido VAlmirante Ferrer Caeiro.
Se alguém tiver elementos mais fidedignos e/ ou complementares, fica aqui o desafio.

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

domingo, 1 de janeiro de 2017

Capitão da Marinha Mercante Joaquim Ferreira da Silva



É com profundo pesar que damos a conhecer o falecimento ocorrido ontem, dia 31 de Dezembro, do senhor comandante Joaquim Ferreira da Silva, distintíssimo capitão da Marinha Mercante. Figura de grande prestígio no meio marítimo nacional e mesmo internacional, era um cidadão com uma postura cívica exemplar, de uma educação, simpatia e amabilidade pessoais que a todos cativava. Perde um grande amigo a nossa Marinha, na qual contava com inúmeros amigos que muito o estimavam e consideravam.
O senhor comandante Ferreira da Silva, que contava 90 anos de idade, completou em 1948 o curso de Pilotagem na Escola Náutica, em Lisboa. Iniciou a sua vida profissional ao serviço da SOPONATA e da SACOR MARÍTIMA Lda, empresas onde serviu mais de 20 anos como oficial e comandante de alguns dos seus navios, nos quais navegou mais de um milhão de milhas.
No início da década de 70 do passado século, dedicou-se ao ensino náutico tendo exercido funções docentes quer na Escola Náutica Infante D. Henrique, da qual foi director, quer em escolas náuticas estrangeiras ao serviço da IMO (International Maritime Organization), agência das Nações Unidas, onde desempenhou funções de director de projectos. 
Proposto pelo Governo Português para Secretário-Geral do Acordo de Lisboa (CILPAN), a sua aprovação foi feita por unanimidade pelos Estados Contratantes, em Bruxelas, em Junho de 1991, desempenhando esse cargo até se reformar em 1998. 
Desde essa data continuou a sua acção visando a protecção e a importância dos Mares por via de palestras, trabalhos e artigos na imprensa. Acção essa igualmente desenvolvida junto de organizações nacionais e estrangeiras, pugnado por uma contínua melhoria da segurança dos navios e das suas tripulações como principal meio da prevenção contra os acidentes marítimos causadores de graves poluições. 
Era um distinto e activo membro da Academia de Marinha e da Sociedade de Geografia de Lisboa, bem como da Confraria Marítima de Portugal. Foi um assíduo colaborador da Revista de Marinha, onde integrava o respectivo Conselho Editorial, e autor de diversos livros técnicos de temática marítima. 
O seu corpo encontra-se na Igreja da Nossa Senhora do Cabo, em Linda-a-Velha, realizando-se o seu funeral amanhã, 2ª feira, 2 de Janeiro, pelas 16h30m, seguindo o féretro para o cemitério de Barcarena, onde o corpo será cremado. 

À sua excelentíssima família e em particular aos seus filhos, enviamos sentidas condolências.

MEMÓRIAS
Todos temos memórias, umas boas, outras assim assim, várias más. Todos certamente nos lembramos de coisas passadas nos tempos da nossa meninice.
Olho para o presente, para o Portugal contemporâneo, para o que se vai passando dentro das Forças Armadas, para o tratamento lamentável que prosseguem dando aos militares, e questiono-me.
Longe vão os tempos em que havia alguma ponderação relativamente a certos aspectos da vida dos cidadãos.
Se no passado mais longínquo existiram atrasos, pouco desenvolvimento, exploração, desigualdades gritantes, falta de liberdade, a verdade é que também havia quem tivesse consciência cívica, e preocupações com o seu semelhante.
Muitas décadas atrás, e sei concretamente do que falo, um jovem médico no interior Beirão teve que sair da cidade de distrito pois com dois filhotes e mulher o sustento da casa estava a ser menos fácil, dado que as borlas era constantes.
Além de outras decisões, quem não tinha rádio não pagava nada. Quem já tinha, pagava a consulta.
Alguns anos mais tarde, o critério evoluiu, quem tinha carro pagava, quem tinha carroça ou galera ou não pagava ou quase não lhe levava escudo algum.
Tempos, memórias.

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Ano Novo ... vida nova!


Um 2017 bem melhor do que o ano que finda, para todas e todos!

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

MEMÓRIAS OPERACIONAIS
Muito longe vão os tempos dos exercícios navais, no Canal da Mancha, no Mediterrâneo, no mar do Norte, nas nossas costas.
Lembrei-me deles há dias, ao ver alinhados/ desalinhados vários barcos.
Possível classificação para a "Formation" (agarrada ao fundo) que se mostra na fotografia?  "arbitrary", "unorganized", "irregularly",  "atypical"?
NÃO, talvez a mais adequada seja - "Wine Formation"


António Cabral
cAlmirante, reformado,
(Chapéus há muitos)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

NATAL 2016


Para toda a guarnição, para os nossos colaboradores e visitantes!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

ASSIM COMEÇOU





António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

CMG EM (Ref) Fernando António Martins Salvador



Fomos hoje surpreendidos com a tristíssima notícia ... faleceu o Eng Salvador. Tinha 87 anos, tendo passado à situação de reforma em 1991. O corpo irá hoje para a Igreja da Ressureição, nas Fontaínhas em Cascais, não se conhecendo ainda mais detalhes sobre as cerimónias fúnebres (serão aqui publicados logo que conhecidos). O Eng. Salvador, figura extremamente popular e estimada na Marinha, foi professor na Escola Naval durante vários anos tendo ensinado várias gerações de oficiais de Marinha. Acabou a sua carreira como Chefe do Gabinete de Estudos da DGMN até 1986. Foi também o primeiro Presidente da Direcção da AFCEA Portugal, organização que lhe atribuiu o título honorífico de Presidente Fundador, cargo que exerceu de Janeiro de 1988 a Julho de 2000.
"O Navio... desarmado" apresenta sentidas condolências à Família enlutada e aos seus amigos e camaradas.

Nota: O corpo está desde o final da tarde de hoje na Igreja da Ressurreição, na Rua de Alvide (em frente ao prédio 63), em Cascais.
Amanhã, dia 21 (4ª feira), será celebrada uma cerimónia religiosa na capela funerária às 11h00.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

CMG (Ref) João Pedro Rodrigues da Conceição


É com  profundo pesar que "O Navio ...desarmado" dá a conhecer o falecimento, na noite  de ontem no Hospital da Cruz Vermelha, do nosso camarada Cte. Rodrigues da Conceição.
Segundo informação de um camarada do seu curso,  o corpo irá ser velado a partir de amanhã, terça-feira, a partir das 18 horas na Igreja de Nª Srª dos Navegantes, no Parque das Nações, Zona Norte.
Na Quarta-feira, pelas 14 horas, será rezada uma missa de corpo presente após a qual o funeral sairá para o Cemitério dos Olivais, onde será sepultado.
A toda a sua Família, em particular à sua Mulher e Filhos, aos seus camaradas do curso "Luís de Camões"  "O Navio ...desarmado" apresenta as mais sentidas condolências.

Que descanse em paz,

sábado, 17 de dezembro de 2016

MEMÓRIAS

Olhei há pouco para coisas muito antigas, algumas dos tempos de meninice. Recordei livros de quadradinhos, cowboys, sarracenos, banda desenhada, por aí fora. Infelizmente, com pequena culpa própria, encarregaram-se de fazer desaparecer muita coisa (lixo, dizem), quase tudo. Até as caixas do antigo "Meccano" foram parar sem minha autorização a um priminho muito mais novo. É a vida, como dizia o outro.
Enquanto "vasculhava" ouvia o rádio na garagem. As notícias deste mundo, cada vez mais desaparafusado.
A propósito da tragédia lá para os lados da Síria, comecei a vasculhar outras coisas e encontrei um resumo, já um pouco antigo, que vem a propósito e partilho. A propósito da Síria.


E então, nesse mundo de outra fé, teremos uns residuais "Kharijites", uns "poucos" "Shi'ites, e a maioria "Sunnis".
Este "papel", é um simples e muito sintético apanhado sobre as principais divisões do Islão. Mas, para quem não esteja a par do assunto, pode dar uma ideia. SUPERFICIAL.
No caso da Síria, teremos gente de vária proveniência, "Ismalites", "Contemporary Ismalites", "Alaouites", "Druze", "Imanites", e certamente uns quantos "Sunites".
Para o "Shi'ism" ao contrário do "Sunism", é atribuída uma importância enorme aos clérigos que têm a missão de interpretar a doutrina e treinar as comunidades.
Para se tentar perceber o que se passa na Síria, deve ver-se a história, ir até pelo menos 500/ 600 anos atrás.
A Síria é uma das criações dos famosos Sykes e Picot, que delinearam os vários Países Árabes de que hoje ouvimos falar, com fronteiras inacreditáveis. Tudo à conta designadamente do petróleo. A Síria era Francesa.
Esse território governa-se autonomamente há pouco mais de umas 5 a 7 décadas. Tem poucas reservas de petróleo, mas acesso ao mar ou seja, pode controlar. 
Não por acaso a Rússia tem lá uma base naval. 
O pai Assad era Shiita, Ba'ath, laico. Com a ascensão do filho, verificaram-se algumas alterações no país, mas rapidamente o granel se instalou. Irmandade Muçulmana, ISIS, ALNUSRA, Curdos, etc.
Guerra civil iniciada algures no ano de 2011. O caos actual.
Enfim, lembrar que os Árabes são um povo, mas muitas religiões.

António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapeús há muitos)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

BOAS FESTAS

A toda a guarnição, e a todos os que visitam este blogue quero expressar os meus votos de Boas Festas.
Que tenham um Santo Natal o mais Feliz possível, junto das Famílias.
E que 2017 não seja um ano amargo, sobretudo no plano da saúde de cada um.
Deixo-vos uma fotografia que muito me diz, é tirada por um amigo. Não uso uma das minhas, quase igual, pois confesso que no meio de tantos cartões de memória não a consegui encontrar.
Boas Festas. Tenho que me organizar!


António Cabral
cAlmirante, reformado
(Chapéus há muitos)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

JORNAL DA MARINHA


Só agora tive a oportunidade de analisar o Jornal da Marinha – Chefias, Mudanças, Permanências e Desempenhos nos Últimos 180 Anos, que é mais uma importante obra do nosso camarada e distinto académico João Moreira Freire, editada no passado mês de Novembro pelas Edições Colibri.
São 425 páginas de sistematizadas informações, reflexões e comentários sobre a Marinha desde a Monarquia Constitucional até à actualidade, subscritos por alguém que “foi, em jovem, oficial da Armada” - e que eu acrescento, dos muito bons - que se constituem como um marco na historiografia naval e um documento indispensável para quem se interessa pelo historial da nossa corporação.
A obra é dedicada a Venceslau de Moraes, António Sérgio e Jorge de Sena “cuja independência de espírito, integridade e rebeldia frustraram uma carreira naval mas abriram a porta a novos progressos para a Humanidade” e, em particular, aos seus companheiros do Curso “Luís de Camões” da Escola Naval (1960-1964).
Da sua introdução à obra destaco a seguinte passagem:
“Esta é, assim, também uma história de retrocessos e resistências. No caso português, a marinha das naus e das fragatas, que ainda era capaz de colaborar utilmente com forças aliadas no Mediterrâneo no século XVIII, perdeu-se com a independência do Brasil. A gestão do império ultramarino oitocentista, com uma força naval empenhada na sua consolidação, perdeu-se com a República. A marinha atlântica, forjada contra ameaças totalitárias no século XX, enfraqueceu-se com o esforço da última guerra colonial, cuja renovada marinha se perdeu por sua vez com a revolução democrática do 25 de Abril. Sempre “ancorada a ocidente”, a Marinha actual tenta cumprir as suas novas tarefas, dentro da permanente missão de assegurar uma presença de Portugal no mar”.
Parabéns João Freire por mais este testemunho da tua esclarecida inteligência e pelo teu trabalho em prol da Marinha!

Nota: Informação recebida do autor indica que o livro está disponível na FNAC e estará (brevemente) também na loja do Museu de Marinha.